quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Falência Afetiva





Nos anseios de eterno amor, estruturaste teus planos com base na pessoa querida.


Retemperaste tuas qualidades, volveste teus olhos para um futuro de confiança, ante o companheiro  que elegeste para fruir contigo o hálito da união ideal. O amor foi a garantia de teus desejos.


No entanto, passados os anos, esse mesmo amor parece adoecer.



Crises surgem, enquistando o ambiente de teu lar. Dor e lágrima, intriga e desencanto varam-te a alma.


Asseveras não suportar as manias e características do esposo ou, muitas vezes, não te afeiçoas à sensibilidade excessiva da esposa, ensejando querelas e ultrajes que colimam na insatisfação plena.


Em verdade, não consegues localizar o fato gerador do desgosto ou a peça defeituosa da engrenagem conjugal que se te parecia protegida contra a discórdia.


Na realidade, o amor que nomeaste como símbolo de tuas aspirações não foi bem aquele amor que supunhas ser o mais qualificado para ti. lsso porque o verdadeiro amor renuncia; perdoa, esquece todo o mal; silencia, ampara sem exigir; tolera sem reclamar; ama e pacifica, traduzindo-se em sustentáculo da fraternidade.


Se tua união afetiva tornou-se campo minado de injúrias e  inquietações, entra em ti mesmo, reconsidera atitude e  engendra a tua reforma íntima, afim de salvaguardares o teu matrimônio.


Todavia, caso semelhante tentativa se te afigurar de difícil realização, indo além de suas próprias forças, evita quedas maiores, seguindo tua rota e desimcumbindo a outra parte, para que ambos aprendam, nos embates da vida, que uma união afetiva é sempre compromisso divino
que precisa ser enrijecido no solo da paciência e mais paciência.


Do livro
 "Opiniões Singelas Sobre o Amor e a Paz"
Pelo espírito de José
Música:
Love Story

Ajude o blog com sua doação! Clique no botão abaixo para doar qualquer quantia.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...