sexta-feira, 25 de maio de 2012

Irmãos do contra





Fácil, realmente, encontrar aqueles que se opõem à marcha natural dos trabalhos de fraternidade - os irmãos do contra.

Não nos reportaremos, no entanto, a eles como quem abre comportas às sugestões de fracasso, mas sim para analisar o pessimismo e as consequências graves que lhes dizem respeito, ao modo de quem examina o perigo de doença determinada no comportamento de enfermos que a manifestam.

Surgem por adversários potenciais de tudo e de todos.

Prematuros na opinião, revelam-se tardos na ação.

Revoltam-se ante a conformidade produtiva e resignam-se à frente dos excessos que destroem a existência.

Não fazem sacrifícios, mas sacrificam a si próprios, sacrificando os outros.

Esquecem o lado bom do passado para se acomodarem ao lado pior das próprias recordações.

Afligem os aflitos, desajudando os semelhantes necessitados e exigem que os Mensageiros das Esferas Superiores se lhes façam servidores atentos.

Se admitem algo, frequentemente admitem o inadmissível.

Normalmente contraditórios, contradizem qualquer projeto edificante.

Com ideias preconcebidas, impugnam as ideias novas.

Crônicos no desânimo, respiram em regime deficitário seja qual seja a direção que adotam nos caminhos da experiência.

Exibem vozes acariciantes tão-somente quando embalam ruínas...

Não vêem a noite que se esvai quando nasce o dia, mas salientam as primeiras nuvens que tisnam o alvorecer...

Vigilantes no personalismo negativo, invertem atitudes e intenções das pessoas, qual se confundissem deliberadamente os frutos das árvores.

Pela infertilidade no bem, ornam-se férteis no mal.

E apenas coerentes com a própria incoerência, cuidam do corpo, descuidam do espírito e, vezes e vezes, renascem de novo para morrerem sob velhos enganos.

Estudemos nossas vidas para verificar, por nós mesmos, quando nos identificamos com eles e quando nos situamos junto deles, prejudicando o curso das boas obras.

E, observando construtivamente nossos irmãos do contra sistemático, por hospedeiros do pessimismo que ousaremos classificar qual ameaçadora virose mental, imunizemo-nos no cultivo da paciência invariável, oferecendo a todos eles o concurso da oração silenciosa por apoio invisível e o serviço incessante por remédio oportuno, na farmácia do bem.

Fonte:
Ajude o blog com sua doação! Clique no botão abaixo para doar qualquer quantia.













LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...