quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

A primeira árvore



Uma invisível mão tomou de humilde seixo
e, polindo-o, apurando-o, iluminando-o todo,
inseriu-lhe, à feição de núcleo interno, ou de eixo,
um raiozinho de alma a eximi-lo do lodo.

E, para vegetar, o seixo, iluminado
por esse átomo de alma, - a um milagre feliz -
foi caroço, e imergiu nos terrenos de um prado,
afim de, sob o solo, alongar-se em raiz.

Pôr sob a terra, a um Ser - é condená-lo à morte;
mas, a um grão - é, talvez, encaminhá-lo à vida...
O caroço, dest’arte, animizado e forte,
germinou, irrompeu, fez-se árvore florida.

E a árvore produziu, multiplicou-se aos centos...
Foi floresta - foi sombra, agasalho, mansão.
Deu aos pássaros - ninho, afagos e alimentos,
que raros seios têm e raros leitos dão...

E vive. E morre. Inspira e transpira. Ama e luta.
Se se locomovesse a além do seu canteiro,
seria uma existência anímica absoluta,
seria um animal completo e verdadeiro.

Vive e morre. Ama e odeia. Às vezes, reflexiona.
E braceja e agoniza, ao vento e à luz solar!...
- Síntese vegetal da Flora e de Pomona,
- Livro em que a Terra ensina os corações a amar...

Folhas, folhas ao sol, douradas e orvalhadas,
brilham tanto, que, só de sob os olhos tê-las,
árvores, são lampiões das sombrias estradas,
são árvores de sóis, são árvores de estrelas...

À distância, de tão arredondadas, cheias
de lianas e florões, a oscilar, a oscilar,
são aeróstatos quase a romper as cadeias,
prontos para partir às aventuras do ar...

À luz do pôr do sol, - longes silhuetas, - elas
são naves a boiar no horizonte ermo e baço...
- Desarvoradas naus, desorientadas velas,
navegando no tempo e encalhadas no espaço.

Uma folha é um banquete, é uma mesa ampla e farta
posta à abelha, à formiga, ao inseto, em geral.
É concha, onde se asila a mísera lagarta,
alcova, onde se mira a cigarra estival.

A terra já foi mar; é um mar petrificado,
comburido de sol, congelado de frio.
E, consoante esse mar, que existiu no Passado,
- no mar verde da Flora - uma árvore é um navio...

Uma árvore é um navio... As folhas são bandeiras
verdes e naturais; as trepadeiras são
cordas de pavilhões, cordas alvissareiras...
Por âncora - a raiz jaz debaixo do chão...

Árvore! ao nosso ouvido é intimamente grato
ouvir os madrigais dos teus ninhos hirsutos.
Teus perfumes nos dão delícias ao olfato,
gostos ao paladar - teus deliciosos frutos.

E não és só o espinho, a flor, a folha, o galho:
quem penetra à raiz o segredo interior,
louva em ti a Modéstia, ama em ti o Trabalho!
És a Dedicação, o Sacrifício, o Amor...  

Hermes Fontes
1888 - 1930
Typographia W. Martins & C., Rio, 1913

fonte:
http://www.espiritbook.com.br/



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...