sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Saudade




Saudade - palavra doce,
Que traduz tanto amargor,
Saudade é como se fosse
Espinho cheirando a flor.

Saudade - ventura ausente,
Um bem que longe se vê,
Uma dor que o peito sente,
Sem saber como e porquê.

Um desejo de estar perto,
De quem está longe de nós;
Um ai que não sei ao certo
Se é um suspiro ou uma voz.

Um sorriso de tristeza,
Um soluço de alegria,
O suplício da incerteza
Que uma esperança alivia.

Nessas três sílabas há de
Caber toda uma canção,
Bendita a dor da saudade
Que faz bem ao coração.

Um longo olhar que se lança
Numa carta ou numa flor;
Saudade, irmã da esperança,
Saudade, filha do amor.

Uma palavra tão breve,
Mas tão longe de sentir!
E há tanta gente que a escreve
E a não sabe traduzir.

Gosto amargo de infelizes
Foi como a chamou Garret;
Coração calado, dizes
Num suspiro o que ela é.

A palavra é bem pequena,
Mas diz tanto, de uma vez!
Por ela valeu a pena
Inventar-se o português.

Saudade - um suspiro, uma ânsia,
Uma vontade de ver
A quem nos vê, a distância,
Com olhos de bem querer.

A saudade é calculada,
Por algarismos também:
Distância multiplicada,
Pelo fator - querer bem.

A alma gela-se de tédio,
Enchem-se os olhos de ardor.
Saudade - dor que é remédio
Remédio que aumenta a dor!

Bastos Tigre


A palavra saudade é um idiotismo. Foi empregada pela primeira vez pelo rei D. Duarte que, por esse motivo, ficou conhecido na história como Rei-saudade.

Saudade é alteração do latim “solitatem” que originou “soledade”. Poucas línguas possuem vocábulos semelhantes e nenhuma tradução lhe poderia dar o sabor encontrado em português.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...