quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Paciência de Uso Externo



Indiscutivelmente, a paciência, qualquer que seja a expressão em que se manifeste, vem a ser atitude benéfica por assustar a explosão de males imprevisíveis.

Em muitos casos, no entanto, apenas depois da desencarnação é que verificamos existir um tipo de paciência que, às vezes, ajuda ao próximo e que, por isso, não deixa de possuir o seu mérito, mas não nos favorece como julgamos.

É uma espécie de meia-paciência que se exprime exclusivamente nos processos de luta e provação em que a pessoa se sabe observada e louvada por admiradores e amigos, com o risco de converter o valor moral em vaidade encoberta.

Sem dúvida que nos cabe resguardar a serenidade própria à frente de quaisquer dificuldades, pequenas ou grandes, ocultas ou vistas, todavia, convém acautelar-nos contra a meia-paciência, suscetível de se desdobrar, de instante para outro, na hipertrofia do amor-próprio, transfigurando dignidade pessoal em orgulho.

Essa calma de metade somente aparece nas dores consideradas honrosas para a vítima.

As criaturas ameaçadas por semelhante perigo, sabem sempre tolerar com um sorriso bem posto o escárnio das inteligências reconhecidamente mal-intencionadas do ponto de vista público, porque isso lhes consolida a superioridade ante o senso comum, no entanto, não aguentam, caladas, a alfinetada de um parente menos feliz.

São capazes de doar cem mil reais a uma campanha de beneficência que congregue personalidades importantes, contudo, não deixam de acompanhar com alguma repreensão o vintém que entregam à porta ao mendigo que imaginam em condições reprováveis.

Perdem nobremente numa contenda no foro, onde observadores cultos lhes inspecionam os modos, mas irritam-se em família ao serem contraditadas em singelas opiniões.

Testemunham extremada abnegação na residência de companheiros e recusam indignadas o servicinho da limpeza na própria casa.

Precavemo-nos contra a paciência de uso externo.

Paciência real, paciência firme é aquela que sabe sofrer dignamente diante dos outros ou a sós consigo, na rua ou no lar, carregando o ouro da consideração humana ou a pedra das pequeninas humilhações da existência, auxiliando para o bem dos outros, em todas as situações, onde e como a Lei de Deus apontar e quiser.

André Luiz
do livro "Sol nas Almas"
Psicografia de Waldo Vieira.


Clique no botão abaixo e ajude a manter o blog com sua doação!












LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...