quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A Cachoeira


                                                                                                                                                               
Quando passes meditando
No cimo da ribanceira,
Repara na majestade
Que esplende na cachoeira.

É bom pensar na grandeza
Que a sua potência encerra;
Na entrosagem dos elementos
Das forças de toda a Terra.

No lugar mais solitário,
É cântico de alegria,
Derramando em derredor
A abundância de energia.

Para dar-se em benefícios,
A sua maior ciência
Não quer admiração,
Pede esforço e inteligência.

Mesmo longe das cidades,
Depois de compreendida,
A cachoeira renova
A expressão dos bens da vida.

Retamente aproveitada,
É fonte de evolução,
Movendo milhões de braços
Nas lutas do ganha-pão.

É mãe generosa e augusta
das fábricas de trabalho,
Que distribui, no caminho,
A luz, o pão, o agasalho.

E aprendemos na lição,
Quando a vemos, face a face,
Que a água buscou um abismo
Por onde se despenhasse.

Nesse símbolo profundo,
De grandeza e dinamismo,
Vemos nós o amor de Deus
E a extensão do nosso abismo.

Nós somos o sorvedouro
De misérias e discórdia;
Deus é a eterna cachoeira
De luz e misericórdia.

Casemiro Cunha
do livro: "Cartilha da Natureza"
Francisco Cândido Xavier
Clique no botão abaixo e ajude a manter o blog com sua doação!











LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...