sábado, 28 de março de 2015

Somos Invisíveis?



Somos invisíveis? É bem possível que uma grande maioria de nós já tenha se questionado dessa forma, em algum momento.

Acontece quando se entra em uma loja e o atendente nos ignora.

Ou quando frente a um balcão de alguma companhia aérea, tentando saber se o voo está no horário. Ou, ainda, em algumas repartições públicas, à cata de informações.

O responsável, isto é, a pessoa ou pessoas que ali estão, simplesmente ignoram a indagação, o pedido, a presença.
É como se fôssemos invisíveis. Para aqueles que lidamos com a Imortalidade, que estudamos a respeito da vida que nunca cessa, o primeiro pensamento que nos acode, ao nos sentirmos assim ignorados é: Será que eu morri e não me dei conta?

Terei acaso atravessado a aduana da morte sem me aperceber? Será por causa disso que as pessoas não me veem, não me respondem?

No entanto, além dessas situações, de um modo geral, quase todos nos movemos no mundo sem darmos atenção aos demais.

É assim que caminhamos pela rua, olhando para frente, atentos ao semáforo, aos sinais de trânsito, aos nomes das ruas, aos números, sem olhar ao nosso redor.

Por isso, é comum esbarrarmos nos outros, desde que não atentamos para as suas presenças. Esbarramos e continuamos em frente, ao encalço do nosso objetivo, sem nos determos sequer para pedir desculpas.

Ou para auxiliar a pessoa a juntar o que a fizemos derrubar com nosso esbarrão. Isso, quando não é a própria pessoa que perde o equilíbrio e vai ao chão.

É assim que, quando se abrem as portas dos coletivos urbanos, saímos como quem precisa apagar incêndio logo adiante.

Existem os que vão abrindo caminho, à força, batendo com a mochila que trazem às costas nos que aguardam, nas filas, e continuam em frente.

Pisam nos pés alheios, mas prosseguem andando. Na ânsia de alcançar o seu destino, rapidamente, carregam consigo o que estiver no caminho: embrulhos, livros... das outras pessoas.

Mas nunca se detêm a pedir desculpas.

Porque nada veem, nada sentem, nada percebem. Somente eles existem em trânsito.

Em filas de cinema, supermercados, bancos, repartições, a questão não é muito diferente.

Pessoas que se dizem com pressa, com compromissos urgentes, passam à frente de outras que aguardam há muito tempo.

Para elas, não existe ninguém mais do que elas mesmas. E o seu problema, a sua dificuldade.
Se estamos no rol dessas pessoas afoitas, insensíveis, que somente veem a si mesmas, estanquemos o passo.

Olhemos ao redor, observemos, respeitemos os que compartilham o mesmo ônibus, a mesma lanchonete, a mesma repartição pública.

O fato de termos que resolver muitas questões não está dissociado da possibilidade de sermos gentis, delicados, atenciosos.

Não nos impede de olharmos ao redor, de ceder o lugar a um idoso, uma grávida, alguém com dificuldade física.

Pensemos que tanto quanto nós não desejamos ser tratados como invisíveis, não devemos assim proceder com relação aos demais.

Somos todos humanos, necessitados uns dos outros.

Ajamos pois, como quem já se alçou à Humanidade e deseja prosseguir caminho, rumo à Angelitude, nosso passo seguinte.


Redação do Momento Espírita







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...