segunda-feira, 13 de abril de 2015

Palavra e Jesus



A palavra, colocada a serviço da saúde, exerce inimaginável função terapêutica, oferecendo larga pauta de benefícios. A utilização do verbo de forma positiva faculta o otimismo, criando uma psicosfera renovadora de que se nutre o ser.

Em face do fenômeno da sintonia, o conceito edificante produz empatia e atrai fatores benéficos, inclusive, a presença de Entidades Felizes, que se sentem motivadas a um intercâmbio edificante, mediante o qual se enriquecem os clichês mentais com paisagens novas e a organização físio-psíquica com estímulos benéficos.

A palavra é instrumento da vida para vestir as ideias e exteriorizá-las com clareza. Aplicada de forma edificante, levanta o mundo, sustenta o pensamento e enriquece a vida com belezas.

Falando, Jesus estruturou, nas mentes e nos corações, os ideais da vida eterna, de que os fatos e os exemplos por Ele vividos constituíram corolário dos incomparáveis ensinos.

Modulando a palavra com a autoridade de que se fazia portador, impregnou os ouvintes, que jamais foram os mesmos...

Ouvindo-o, ninguém lograva esquecê-lo. Dialogando com ele, alicerçavam-se os ideais de enobrecimento humano, que mudaram o curso da História.

Ensinando na cátedra viva da natureza, projetou luz inapagável que passou a clarear os discípulos por todo o sempre. Sempre usou a palavra para a construção imperecível da felicidade humana.

Com energia ou doçura, em suave tranquilidade ou grave admoestação, o Seu verbo sempre esteve colocado a serviço do bem e da paz.

Maria de Magdala, atenazada por obsessores cruéis, libertou-se do aturdimento a que fora atirada, sob o magnetismo salutar do Seu verbo, desobsidiando-se.

Simão Pedro, periodicamente influenciando por mentes perniciosas da Erraticidade Inferior, encontrou, na Sua palavra, a terapia da libertação, a ponto de poder oferecer-se integralmente ao ministério da doutrina, que dele fez o grande mártir do Evangelho.

O gadareno, visivelmente possesso, saiu das sombras da alienação e volveu à claridade da razão ante a Sua voz.

Lázaro retornou do profundo transe da catalepsia, atendendo-Lhe ao chamado enérgico.

Perturbador desencarnado, contumaz na ação infeliz, silenciou, em plena Sinagoga, onde desejava gerar tumulto, repreendido pela Sua palavra severa.

... E falando, no monte, Jesus compôs o soberano código do amor, jamais igualado, que nunca será superado.

Utiliza-te da palavra a fim de inspirares imagens felizes.

O que digas, como digas, gerará clichês mentais e incidirá em ondas-pensamento, produzindo resultados conforme a intensidade emocional com que vistas a expressão verbal, favorecendo ou infelicitando aquele a quem a diriges, a ti mesmo responsabilizando.

Faze da palavra um veículo da esperança, da paz, da saúde e do bem.

Há demasiado verbo aplicado com o ácido da crítica, com o azedume da inveja e do pessimismo, com a labareda do ódio produzindo o mal.

Seja tua a palavra de vida, de vida abundante.

Joanna de Ângelis
do livro: "Alerta"
Divaldo Pereira Franco







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...