terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Cansaço



Estás fatigado. O cansaço, qual fluido deletério, vence tuas resistências, assenhoreando-se do aparelho físico-mental que acionas com dificuldade.

Tantas têm sido as aflições, as lutas que, desencorajado, te entregas à indiferença quanto ao futuro sob tormentos que te dominaram a capacidade de lutar.

Tens a impressão de que o entusiasmo calou a voz da sua emoção no teu sentimento encarcerado na dor, e sentes o coração como se fosse um diamante bruto a esfacelar-se dentro do peito, golpeado por vigorosas tenazes que o despedaçam...

Tudo se te afigura sombrio e a luz, que se emboscava na gota d’água aprisionada diante dos teus olhos, agora a vês transformada em lama, no pó, qual a tua antemanhã de sonhos convertida em noite tempestuosa de pavor.

Lutaste, é certo.

Reuniste as energias, qual comandante afervorado a batalhas violentas, colocando-as em defensivas até a exaustão. Mas tantas foram as agressões e tão continuado o cerco que desejarias bater em retirada, deixando livre o campo para que se multiplicassem os maus.

No íntimo conservas um travo de fel que o sofrimento deixou e como miasma em crescimento sentes o espírito envenenado, com a amargura em todas as horas.

Uns companheiros fitam teu sorriso e creem que o caráter não é um dos teus dotes mais representativos.

Outros contemplam tua tristeza e comentam que é débil a tua fé.

Alguns falam contigo e identificam expressões que deprimem teus sentimentos.

Amigos discretamente afirmam que foste vencido por “forças negativas” do Mundo Espiritual.

Confrades rigorosos negam-te o concurso da amizade deles.

Irmãos acendem a chama da idiossincrasia e separam aqueles que o teu esforço infatigável reuniu.

Colaboradores fendem as bases do serviço que desdobras, abnegado, desejando amesquinhar-te.

Assim crês, assim vês, assim é... Porque estás cansado.
Quem observa dificuldades somente encontra obstáculos.

Aquele que se prepara para um dia de calor tem pretexto para a canícula inexistente.

Olhos acostumados aos detalhes negativos descobrem insignificâncias que enfeiam qualquer paisagem feliz.

As estrelas que fulgem além da névoa são ignoradas por quantos se contentam com sombras.

As mãos que preferem espinhos perdem a sensibilidade para as débeis violetas.

No entanto, além do que registras, há beleza, harmonia, vida.

O veneno que o ofídio injeta e com o qual mata, o homem consegue transformar em medicamento salvador.

A ofensa de que se utilizam os infelizes para ultrajar, ajuda na ascensão os que sabem transformar vinditas em bênçãos.

A pedra que fere também adorna.

O lodo pestilento devidamente atendido converte-se em perfume delicado na intimidade da flor.
Transforma cansaço e tristeza em seiva de vida eterna.

Renasceste, na Terra, para elaborar a felicidade própria e intransferível.

Rogaste a dádiva do resgate com as moedas do testemunho e do silêncio.

Esquece-te, desse modo, de ti mesmo e persevera.

Perdoa, enquanto podes.

O perdão é luz que arremessas na direção da vida e que voltará à fonte donde procede.

O conceito que os outros fazem a teu respeito vale o que valorizas.

As dificuldades que te impõem obstaculam quanto supões.

O sarcasmo e a perseguição representam o que consideras.

A dor é o que se deseja que valha.

Levanta o espírito e combate.

Não deixes que os braços das sombras apaguem com mãos de trevas os painéis da tela das tuas aspirações.

Aprofunda a mente na pesquisa da verdade e detém-te a examinar a história dos homens fortes. Não nasceram fortes: fortificaram-se na luta.

O vento enrija a fibra da sequoia e a tormenta lhe dá vigor.

A chuva que chafurda o regato aumenta-lhe o volume d’água.

Deixa-te conduzir pelos testemunhos naturais da experiência carnal e experimenta perseverar, insistir, continuar...
A grandeza de Jesus afirmada no atroz sacrifício da Cruz teve o seu início na escolha de singelo berço para continuar nas aparentes mil nonadas da carpintaria humilde, dos contatos com as gentes simples e pouco esclarecidas, com os enfermos exigentes, os amigos ingratos, os legisladores e religiosos desonestos, para culminar na covardia de alguns discípulos obsidiados com intermitências que O atraiçoaram, esquecendo o Seu amor para fugirem.

No entanto, uma vez única deixou-se Ele vencer pelo cansaço e, por isso, não reclamou, não desistiu, não censurou, não se deteve a examinar o lado infeliz de ninguém, dedicando-se incansavelmente à construção do bem excelso em favor de todos, a todos amando e perdoando, apesar de tudo.

Joanna de Ângelis
do livro: "Dimensões da Verdade"
Divaldo Pereira da Franco

Fonte:
Clique no botão abaixo e ajude a manter o blog com sua doação!











LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...