sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Pontos e Vírgulas



Quando iniciamos nossa vida escolar em busca do conhecimento, lá nos primeiros anos do ensino fundamental, vamos aprendendo a usar corretamente o idioma pelo qual nos comunicamos. No nosso caso, o Português.

Em dado momento nos é ensinado o uso correto da pontuação.  E com certeza a maioria de nós acha a matéria um tanto difícil, para não dizer… “um pouco chata.”

Mais tarde, perceberemos que em todos os passos da nossa caminhada teremos que utilizar pontos e vírgulas.  

Atravessamos a adolescência e a efervescência dos hormônios; a incerteza e a insegurança, próprias desta fase da vida, por mais contraditório que possa parecer, nos fazem usar mais pontos do que vírgulas.

Crescemos; chegamos à época dos compromissos e responsabilidades sérias e mais do que nunca eles, o ponto e a vírgula tornam-se necessários.

O ‘ponto’ sempre significará um encerramento de questão; a vírgula poderá indicar dúvida, indecisão, mas também que estamos abertos ao diálogo e, por consequência, mais abertos ao perdão, a compreensão… a convivência fraterna e harmônica baseada no respeito pela vida e pelo próximo.

É claro que muitas vezes vamos precisar encerrar algumas coisas, notadamente quando se trata de nossos próprios vícios e imperfeições, esses sim vão sempre merecer um ponto final.

Já quando se trata da convivência e da relação com o outro, a experiência nos mostra que muito mais vezes, será de bom senso e muita sabedoria, usarmos a ‘vírgula’. Pois a vida sendo eterna, por sabedoria e bondade de Deus, não termina por aqui e se renova a cada instante.

Aquele irmão que hoje nos perturba, foi ontem aquele a quem nós prejudicamos e pode ser o motivo da nossa felicidade amanhã.

Cabe a cada um de nós, no pleno uso do nosso livre arbítrio, decidir quando e onde colocar pontos e vírgulas e, de maneira responsável, arcar com as consequências e aprender as lições provenientes das nossas decisões.

Silvia Gomes







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...